Fonte solar fotovoltaica: viável para o Brasil?

Até 2020, todas as novas residências do estado da Califórnia (EUA) terão que incorporar a tecnologia da fonte solar fotovoltaica em seus projetos. Para os prédios comerciais, a medida começa a valer a partir de 2030. Considerada um marco para o setor, ela deve inspirar mudanças aqui no Brasil.

O tema vem sendo pautado pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica – ABSOLAR. O presidente Ronaldo Koloszuk diz que o Brasil está atrasado em pelo menos 15 anos no desenvolvimento dessa tecnologia. Para vencer esse atraso, é preciso uma política para o setor, com práticas internacionais sendo adotadas, promovendo o uso sustentável da energia solar fotovoltaica em todas as regiões do país.

A meta é atingir pelo menos 30 Gigawatts (GW) da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira até 2030. É um modo de incluir a fonte como ferramenta estratégica para o desenvolvimento do País.

Voltando ao exemplo da Califórnia, lá o governo implantou lei estadual estabelecendo estabeleceu que, a partir de 2045, 100% da energia elétrica consumida na região deverá ser proveniente de fontes limpas e não-emissoras de gases de efeito estufa, como a solar fotovoltaica.

 

Atualmente no Brasil

 

O Brasil ainda precisa caminhar bastante para alçar voos maiores, mas precisa começar a rever posições e ações estratégicas. Atualmente estamos entre os dez principais países do mundo na produção de energia elétrica a partir das fontes hídrica (2º lugar), biomassa (4º lugar) e eólica (8º lugar). Na fonte solar fotovoltaica estamos na 30º posição.

Entre as melhorias que poderemos conseguir, estão: benefícios sociais, econômicos, ambientais, energéticos e estratégicos. Além disso, estaríamos alinhados ao desenvolvimento sustentável e com mais empregos renováveis.

No Recife, Érico Ferraz, diretor da Centrex – especializada em energias renováveis – diz que faltam leis e posição política para ajudar a impulsionar esse mercado no país. “Vemos com bons olhos a energia fotovoltaica. Mas apesar do Nordeste ser a região com maior índice de insolação, ainda há um porém: tem muita gente tentando entrar no setor sem o devido conhecimento do trabalho. Precisamos, além de incentivos fiscais, de mão de obra especializada, mais capacitada”, pontua.

Além disso, ele reforça que o imediatismo brasileiro também tem sido um entrave para que a energia fotovoltaica ganhe espaço. “Esse sistema traz um retorno do investimento em média de cinco a 10 anos. No Brasil, as pessoas tendem a querer rapidamente de volta o que foi investido e não querem esperar, por ver como muito distante esse retorno”, conta.

Entre os pontos que poderiam ajudar a abrir mais caminho para a energia fotovoltaica, Ferraz  cita como fundamental a redução de impostos sobre os equipamentos. Isso, segundo ele, reduziria o preço unitário e permitiria que as pessoas pudessem instalar o sistema em casa. “Quem muito se beneficiaria seriam os moradores das áreas rurais”, pontua.

Posts relacionados

Artigo

4 Tendências para Construção Civil.

LER MAIS
Artigo

BIM: Uma evolução para a construção civil.

LER MAIS
Artigo

Importância de reutilização da água no canteiro de obras.

LER MAIS
Artigo

Sustentabilidade – Celulose e Engenharia.

LER MAIS
Artigo

O uso de vidro na Engenharia Civil.

LER MAIS
Artigo

Engenharia de Custos

LER MAIS
Artigo

Use e Abuse: Relação de Recebimentos (Imposto de Renda)

LER MAIS
Artigo

Dimob

LER MAIS
Artigo

Saiba sobre o concreto na Construção Civil.

LER MAIS
Artigo

Importância dos materiais cerâmicos na Construção Civil.

LER MAIS
Artigo

A importância da acessibilidade nas edificações.

LER MAIS
Artigo

Como avaliar seus fornecedores de forma eficiente

LER MAIS
Artigo

Semana ENIC 2021

LER MAIS
Artigo

Acompanhe os resultados das mídias sociais na sua construtora.

LER MAIS
Artigo

Quem é novo consumidor imobiliário?

LER MAIS
Artigo

Conheça o Programa Casa Verde e Amarela

LER MAIS
Artigo

Como vender mais com o Marketing Digital

LER MAIS
Artigo

Indicadores de desempenho: imprescindíveis à gestão

LER MAIS
O que você achou? Comente